Um doce pelo seu pensamento!

Nossas avós muitas vezes faziam essa brincadeira e nos pegavam desprevenidos quando tínhamos que dizer o que estávamos pensando no momento. O pior é que nem sempre podíamos dizer exatamente no que pensávamos pois quase sempre nossos pensamentos são aleatórios, indizíveis, nem sempre louváveis ou aceitáveis.

 

O fato é que pensamos a todo tempo e o ser humano consegue pensar sobre si próprio. Esse estado de consciência nos permite refletir sobre nós próprios. Quando nos damos conta disso percebemos que isso nos possibilita reconfigurar o nosso próprio pensamento em direção ao que queremos.

 

Mas qual a necessidade de escolher o próprio pensamento? Como fazer isto? Bora pensar um pouco?

 

 

Somos o que pensamos

Nossas mentes são potentes dispositivos geradores de energia. Nelas ocorrem descargas a todo o momento, liberando os conteúdos que as envolvem. Esse conteúdo são os pensamentos e os sentimentos que alimentamos.

 

A energia de nossos pensamentos fica presente em nosso entorno, reproduzindo e emitindo as vibrações geradas em nossa mente. E o nosso perispírito passa a refletir os nossos pensamentos, como num espelho.

 

É bem simples entender. Se estamos com um pensamento elevado, nosso perispírito reflete essa vibração. Se o nosso pensamento é desprovido de virtude, nosso perispírito reflete este estado.

Kardec nos apresenta um ótimo exemplo de como os nossos pensamentos repercutem em nosso perispírito:

 

Se um homem, por exemplo, tiver a ideia de matar alguém, embora seu corpo material se conserve impassível, seu corpo fluídico é acionado por essa ideia e a reproduz com todos os matizes. Ele executa fluidicamente o gesto, o ato que o indivíduo premeditou. Seu pensamento cria a imagem da vítima e a cena inteira se desenha, como num quadro, tal qual lhe está na mente. [1]

 

O pensamento é um “plasma fluídico”[2], “é força eletromagnética”[3] que carrega todo nosso desejo, nossa vontade, nossa imaginação, nossa memória, nossos sentimentos, criando “a vida que procuramos, através do reflexo de nós mesmos”

 

Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo. (Buda)

 

A vontade

Está claro que somos o que pensamos, mas como podemos pensar diferente e sermos melhores, transformando esse fator em um importante apoio a nossa trajetória evolutiva?

 

Emmanuel, no livro “Pensamento e vida”,  faz uma comparação da mente humana a um grande escritório composto por quatro departamentos: o do Desejo, o da Inteligência, o da Imaginação e o da Memória. Para além destes, há um setor que se destaca exatamente por comandar todos os demais: o Gabinete da Vontade.[3]

 

Segundo o mentor, a vontade comanda o processo. Ela “é a gerente esclarecida e vigilante, governando todos os setores da ação mental.”[3] E mais, é a  única força capaz de ampliar ou restringir a ação do pensamento.[4]

 

A vontade exerce função controladora das nossa emissões mentais e é por ela que se dá a direção nesse ou naquele rumo de nossa energia mental.

 

O caminho para reconfigurar a direção do nosso pensamento é a Vontade, pois só ela é “suficientemente forte para sustentar a harmonia do espírito”.[3]

 

Tomar consciência disso nos possibilita ter clareza sobre os caminhos do nosso pensamento.

 

 

O pensamento e nossas conexões

O pensamento é a base das relações espirituais dos seres entre si, como nos esclarece a Ministra Veneranda em uma passagem do livro Nosso Lar.[5]

 

A todo tempo estamos nos conectando e nos associando com outros seres. Quando dirigimos o pensamento para um ser qualquer, uma corrente fluídica se estabelece, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som.[6]

Já parou pra pensar que as pessoas que nos cercam, em geral, estão vinculadas a nós por afinidade de pensamentos?

 

Emmanuel nos diz que, “sentindo, mentalizando, falando ou agindo, sintonizamo-nos com as emoções e ideias de todas as pessoas, encarnadas ou desencarnadas, da nossa faixa de simpatia. Assimilamos os pensamentos daqueles que pensam como pensamos.”[7]

 

Se nos associamos àqueles que têm os mesmos pensamentos que nós, vale refletir sobre a qualidade do nosso pensamento. Faça uma rápida análise:

  • Acha que está assimilando bons pensamentos?
  • Quem você acha que se sintoniza aos seus pensamentos?
  • Você acredita que está se conectando com quem gostaria?

 

Sabemos que não é fácil mudar nossos padrões mentais de uma hora para outra. O que fazer, então? Veja algumas dicas:

 

1) #SemCulpa

Para começar, nada de sentimento de culpa ou autojulgamento, ok? Afinal, ter pensamentos negativos é algo natural, inerente à nossa atual condição evolutiva. Só não podemos ficar paralisados neles, certo?

 

Com um pouco de dedicação, conseguimos gerenciar cada vez melhor nossos pensamentos e assim nos tornarmos produtos desta boa mudança.

 

 

2) #ObserveSeusPensamentos

Ninguém te conhece melhor do que você! Observe seus pensamentos durante seu dia, veja se você está permitindo que pensamentos negativos ganhem força e te tiram do foco, se eles te desestabilizam e se eles prejudicam também as pessoas a sua volta.

 

3) #BonsExemplos

Lembre-se de alterar a frequência, de limpar sua mente e de pensar nos bons exemplos que os grandes mestres nos deixaram, de fazer uma oração sincera, pedindo para que o mal se afaste e que ao seu lado esteja a luz do Criador.

 

4) #PreceÉdoBem

Lembre-se de que sempre que você estiver sentindo-se desarmonizado ou desestimulado, você pode contar, pelo auxílio da prece, com a ajuda de todos aqueles espíritos de luz que estão do nosso lado ao primeiro chamado.

Não exite em recorrer a prece que é terapêutica eficaz no auxílio à reunião de forças para nos livrarmos das armadilhas dos pensamentos viciosos e de baixa qualidade vibracional que tanto nos fazem mal.

Ao dedicarmos ao menos um tempinho  para refletir, para orar, para acessar e processar nossos sentimentos, perceberemos cada vez mais a forma como estamos vibrando.

 

5) #Conheceteatimesmo

De fato, quanto antes tomamos consciência desse processo mais rápido podemos intervir e colocá-lo a nosso favor, produzindo de maneira saudável a psicoesfera que nos nutre e que se irradia intervindo na realidade que nos cerca. .

Lembre-se, tudo é gerenciado pela vontade!

Então, acione a sua vontade e modifique seu padrão de pensamento substituindo o mal pensamento por um bom pensamento assim que se der conta disso! Você vai se surpreender com os benefícios destes simples passos! #ficaadica

 

Referências:

[1] Allan Kardec – Obras Póstumas – 1ª Parte – Fotografia e telegrafia do pensamento

[2] Emmanuel (psicografia de Francisco Cândido Xavier) – Pensamento e Vida – Cap. 29

[3] Emmanuel (psicografia de Francisco Cândido Xavier) – Pensamento e Vida – Cap. 2

[4] Allan Kardec – Obras Póstumas – 1ª Parte – Introdução ao estudo da fotografia e da telegrafia do pensamento

[5] André Luiz (psicografia de Francisco Cândido Xavier) – Nosso Lar – A preleção da Ministra – Cap 37

[6] Allan Kardec – O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. 27

[7] Emmanuel (psicografia de Francisco Cândido Xavier) – Pensamento e Vida – Cap. 8

 

DOCE FIM

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *