Sou jovem! Sou espírita! Sou médium?

Dia desses estavámos conversando com um grupo de jovens espíritas. Estes nos pediram para conversar sobre mediunidade, pois tinham umas curiosidades. Como todo jovem, as perguntas eram diretas e vamos reproduzir algumas aqui bem como as respostas dadas.

A primeira questão que surgiu foi:

POSSO SER MÉDIUM A PARTIR DE QUE IDADE?
Para responder a essa questão lembramos de Kardec que afirma:
“Podemos encontra-la (a mediunidade) nas crianças e nos velhos, nos homens e nas mulheres, qualquer que seja o temperamento, o estado de saúde ou o grau de desenvolvimento intelectual e moral. (O livro dos médiuns, cap. XVII, item 200).

Vídeo: O despertar mediúnico de Divaldo Franco

A partir de então as perguntas se sucederam:

COMO PODEMOS CONSTATAR A EXISTÊNCIA DE UM DETERMINADO TIPO DE MEDIUNIDADE?
Ainda no cap. XVII, item 200 de O Livro dos Médiuns, ao falar sobre mediunidade de psicografia, Kardec responde a esta questão ao afirmar que “Não há nenhum meio de diagnosticar, mesmo de maneira aproximativa, que se possui essa faculdade” e mais adiante complementa: “Só há um meio de constatar a sua existência: é experimentar”.

MAS ONDE EXPEIRIMENTAR? UM JOVEM PODE FREQUENTAR UMA REUNIÃO MEDIÚNICA, OU DEVEMOS EXPERIMENTAR POR MEIO DE JOGOS E BRINCADEIRAS, COMO POR EXEMPLO A BRINCADEIRA DO COPO?
Não há nenhum problema em um jovem frequentar uma reunião mediúnica. Adequando-se às normas da reunião, sua frequência é sempre salutar. O ideal é experimentar numa reunião séria, sob a supervisão de companheiros experientes. Jamais em brincadeiras como a do copo ou da garrafa ou similar.
Aproveitamos para lembrar das imãs Julie e Caroline Baudin que psicografaram quase a totalidade das questões de O Livro dos Espíritos em reuniões familiares dirigidas por seus pais e acompanhadas por Kardec; Ruth Japhet responsável pela revisão completa da mesma obra; Aline Carloti que fez parte do grupo de médiuns ao qual Kardec endereçou as questões mais espinhosas da obra, sendo responsável pela concordância dos ensinos; essas jovens médiuns foram fundamentais na codificação da Doutrina Espírita.

POR QUE MOTIVOS NÃO HÁ PRESENÇA DE JOVENS NAS REUNIÕES MEDIÚNICAS DAS CASAS ESPÍRITAS QUE FREQUENTAMOS?
Essa é uma questão que deve ser discutida no interior de cada casa para entender o que acontece. Ninguém melhor que vocês jovens para dizer o que acontece em suas casas e as razões pelas quais o jovem não se faz presente em reuniões mediúnicas. Que tal vocês pesquisarem em suas casas e compartilharem conosco suas respostas, aqui no blog? Aguardamos as contribuições de todos.

TODO MÉDIUM É COMO CHICO OU DIVALDO?
Não! Nem todos tem suas atividades mediúnicas desenvolvidas da mesma forma. Chico, por exemplo, começou suas atividades mediúnicas muito cedo, como podemos ver no filme Chico Xavier, direção de Daniel Filho. Um filme muito interessante que mostra outro médium e sua vida atribulada é Joana D`arc que exerceu sua mediunidade na juventude e que suas inspirações não era nada além de espíritos que a inspiravam.

Importante para todos termos em mente que mediunidade é mais uma ferramenta sublime de elevação e serviço no bem.

E você, se considera um médium? Comentaê!



4 respostas para “Sou jovem! Sou espírita! Sou médium?”

  1. itamar escouto disse:

    Presença dos jovens tem que ser constante em todos os espaços das casas espiritas , inclusive nas reuniões mediúnicas , devemos trabalhar para quebrar alguns tabus. Ser jovem não significa ser irresponsável!

  2. Tati disse:

    Sempre tive muita curiosidade em relação a minha mediunidade, e acabei passando por situações não muito agradáveis por isso hahaha mas acredito que todos somos médiuns realmente, basta que comecemos a vigiar como nos sentimos quando estamos em locais com energias diversas, seja na casa espírita, em um bar, na casa de um amigo, no hospital, etc.
    Se auto conhecer é um grande passo para descobrirmos a nossa mediunidade, não é?

    Gostei muito do Gera’ê, nós jovens precisamos de cada vez mais orientação e informação. Muito obrigada por tudo!

    • Gera'ê disse:

      Agradecemos o seu carinho, continue com a gente!

      • Mazinho disse:

        Tati você tocou num ponto essencial, o autoconhecimento. Isso é super importante no processo de educação do médium, afinal não educamos a mediunidade e sim o médium, não é mesmo.
        Muito interessante sabermos nossos limites, como reagimos diante de certas situações e em determinados locais. Somos médiuns e cada um de nós reagimos de formas diferentes diante das situações do nosso dia-a-dia.
        Muito bom o gera’ê contribuir conosco com tais reflexões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *