Seja um Super-herói

Olá meus queridos!

Primeiro de tudo, um enorme FELIZ ANO NOVO para todos vocês. Afinal, não poderíamos deixar passar despercebido que este é o nosso primeiro post de 2017, portanto, antes de começarmos a nossa reflexão sobre o tema de hoje, gostaríamos de desejar para cada um de vocês um ano incrível de realizações e conquistas em suas jornadas evolutivas.

Como assim tá difícil? Tudo bem que 2016 foi um ano repleto de reviravoltas inesperadas, mas isso não é motivo para desânimo. Afinal, as dificuldades do nosso dia-a-dia são justamente oportunidades de aprendizado que a vida nos oferece. Nós sabemos que, às vezes, a situação pode se complicar, de forma a nos levar a questionar a existência da “luz no fim do túnel”, mas, para esses casos, nós temos uma dica para vocês: Faça o que um Super-herói faria!

Super-herói? Como assim? Calma, calma, não é para sair batendo em todo mundo, não. Vamos refletir juntos! O ano passado não foi cheio apenas de conflitos, nós também fomos presenteados com lançamentos de vários filmes de super-heróis. E um detalhe comum a todos esses filmes foi que não importava o quão poderoso o super-herói era, sempre chegava um momento em que não dava para resolver sozinho certa “catástrofe”. O que acontecia então? Ele precisava contar com o “Apoio” de outros super-heróis para salvar o dia.

Por mais forte que o Wolverine seja, em X-Men, ele nunca conseguiria vencer sozinho o Apocalipse. Os mutantes tiveram que unir suas forças, para conseguir derrotar o vilão. Outro exemplo foi o Super-homem, que contou com o apoio do Batman e da Mulher-Maravilha, para salvar Metrópolis do monstro criado pelo Lex Luthor. E até mesmo quando os super-heróis brigaram entre si, como no caso do Capitão América e o Homem de Ferro em “Guerra Civil”, eles formaram times com outros Vingadores, pois sabiam que, dessa forma, teriam mais chances de vencer.

Portanto vejam que até mesmo os super-heróis mais poderosos precisam do “Apoio” de seus amigos, seja nas situações mais desesperadoras, por exemplo as grandes guerras, tragédias e catástrofes naturais, seja também nas situações mais simples, como a convivência. Analisemos o Wolverine: quando se uniu aos X-Men, era quase um selvagem, comunicando-se apenas por grunhidos, mas, graças às amizades ricas e profundas que formou com os outros mutantes, ele se tornou mais sociável e menos radical em suas atitudes, apesar de ainda ser muito agressivo e grunhir bastante.

Como explicar esses resultados?

Pesquisas científicas sobre a dimensão da amizade “Apoio” nos tem mostrado que as pessoas percebem os amigos como uma importante fonte de apoio social e mostram-se mais dispostas a ajudar um amigo do que um conhecido simplesmente. Ao lado da família e dos professores, os amigos têm sido considerados os elementos que mais participam da promoção do bem-estar social e estão entre as pessoas mais lembradas, quando surgem as dificuldades.

Ao consultarmos o Livro dos Espíritos, aprendemos que[1] o homem não consegue evoluir sozinho, pois não possui todas as faculdades. Ele precisa unir forças com outros homens, para que suas faculdades se completem umas às outras e, finalmente, consigam o bem-estar e o progresso. Por isso que nós fomos feitos para contar com o apoio de nossos irmãos/amigos e não vivermos isolados de todo mundo.

Mas gostaríamos de ressaltar que o “Apoio” verdadeiro é aquele que funciona como uma via de mão dupla, pois, da mesma forma que nós precisamos contar com a ajuda de nossos amigos, eles também precisam da nossa. Amizade não é só para momentos de felicidade. Nada de egoísmo nas situações de dificuldade dos nossos amigos, pois os Espíritos são claros em nos ensinar que[2] os flagelos nos possibilitam demonstrar nossos sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo. Foi o próprio Jesus que nos ensinou a[3] fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós, ou seja, nós também precisamos fazer a nossa parte.

Portanto, da próxima vez que você estiver perdendo a esperança em dias melhores, aja como os super-heróis e peça ajuda de seus amigos e familiares, para que você possa se reerguer novamente. E, então, mais uma vez em harmonia com a vida, seja você um super-herói para eles e lhes dê todo o apoio que você conseguir.

[1] Allan Kardec – O Livro dos Espíritos – Parte Terceira – Capítulo VII – questão 768

[2] Allan Kardec – O Livro dos Espíritos – Parte Terceira – Capítulo VI – questão 740

[3] Allan Kardec – O Evangelho Segundo o Espiritismo – Capítulo XI – item 4



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *